Nerd de Pijama – Fim dos Novos 52

Depois da uma longa maratona de todos os filmes animados da DC referentes a era dos Novos 52, finalmente pude vir aqui comentar alguns fatos curiosos que rolaram durante todos esses anos de animações maravilhosas. Após o evento grandioso para a TV que vimos mais recentemente que foi A Crise das Infinitas Terras, percebemos que muito do Multiverso da DC estava interligado (mesmo que por vontade dos fãs), uma prova disto foi ver homenagens aos filmes de Tim Burton, séries antigas como The Flash e Smallville passando por Birds of Prey. A presença de Kevin Conroy como um Batman em live-action foi a mais linda e singela homenagem a todos que cresceram assistindo a animação da Liga da Justiça, a série animada do personagem e claro, a todo multiverso animado da DC.

Dito isto, vamos começar lá em Ponto de Ignição onde temos uma linha do tempo deturpada com a salvação da vida de Nora Allen, algo que também vimos nas séries atuais da TV. Iconicamente Thomas Wayne vira um Batman que mata e claro, Mulher Maravilha e Aquaman disputam o governo de um mundo que lhes seja submisso após um desentendimento romântico entre ambos. O que vale lembrar também é que o Zoom, inimigo mortal do Flash é morto no final pelo Thomas. Ou quase já que lá na frente em Esquadrão Suicida: Acerto de Contas, vimos que ao sentir a bala penetrar sua cabeça ele conseguiu vibrar o suficiente com o resto de poder que ele continha e entrar na SpeedForce antes que o Flash lá de Ponto de Ignição restaurasse a linha do tempo. Zoom então entrou em outra linda do tempo na qual ele está fraco, e que muito provavelmente é a mesma linha do tempo que acontece a partir do filme Liga da Justiça: Guerra. Quer outra aprova? Após entregar a carta de Thomas ao Bruce, Barry volta para um mundo onde a Liga já existe e na linha do tempo de Guerra, bom, ela começa a ser formada neste filme. Uma vez que Darkside tenta invadir a Terra e Batman e Superman tem sua primeira conversa sobre as Caixas Mãe de Apocalipse. Ciborgue surge, entre tantos outros acontecimentos bacanas como Shazam ser fã de Stone, Flash já trabalhar com o S.T.A.R. Labs e Diana Prince tentar diplomacia com o Presidente dos Estados Unidos; uma vez que ela decide não mais se esconder do mundo dos homens.

Depois que a Liga é formada, temos a adição do Aquaman em Trono de Atlantis, é válido lembrar também que aqui já temos um Batman que é pai. Pois antes de se juntar à Liga, ele recebeu a visita de Thalia Al Ghul, pedindo para que proteja Damien até que ela consiga ajeitar as coisas na Liga dos Assassinos após a morte do seu grande líder, Ra’s al Ghul. É válido lembrar também que Damien vira o novo Robin e que foi Deathstroke que matou seu avô, já que mais tarde ele irá ressurgir em Contrato de Judas ainda querendo reaver uma Liga dos Assassino sob seu próprio comando. Após Trono de Atlantis, temos Batman Vs. Robin que é um filme um tanto crucial para essa relação do Bruce com o Damien e claro, para mais a frente este último se juntar aos Teen Titans. No filme é explorado de uma forma diferente das HQ’s o tal mistério da Corte das Corujas, o que também foi ótimo de ver na série Gotham. E a partir disto, ver o amadurecimento do Damien e a relação com seu pai ficar mais forte mesmo que no final ele siga o próprio caminho. Mas já era de se esperar de um Batman que já criou uma porrada de Robins não é mesmo?

Em Batman Bad Blood (Sangue Ruim), vemos a aparição de uma Kate Kane já como Batwoman e este filme para os fãs da Batfamily é ótimo já que no final também vemos a aparição de uma Batgirl. O filme também traz Luke Fox como Batwing, Damien e Dick Grayson e desmascara o verdadeiro propósito de Thalia al Ghul agora que a mesma comanda a Liga dos Assassinos. Também vemos que Dick Grayson já está num relacionamento sério com Estelar (Starfire) e que ele mora na Torre dos Titans. Mais tarde vemos que ele e Cory vão se mudar para um apartamento só deles, deixando os Titans posteriormente na liderança de Damien. Em Liga da Justiça vs. Teen Titans, vemos que estamos num universo já conciso onde temos o Hall da Justiça, a Legião do Mal e Damien finalmente vai morar com os Titans que atualmente são formados por Besouro Azul, Ravena e Mutano. Vemos um pouco do passado da Ravena ser explorado aqui o que faz todo o sentido para sabermos da existência do Inferno e magia; já que depois termos filmes da Liga da Justiça Sombria. E após conseguirem prender Trigon novamente num cristal, salvar a Liga da Justiça, Ciborgue decide se juntar aos Titans deixando os assuntos mais adultos para o Batman e os outros. Claro que aqui já vemos ter uma ponte entre as duas equipes e como elas conseguem conciliar a defesa do planeta.

Em Liga da Justiça Sombria, vemos que mais membros como Gavião Negro e Caçador de Marte já são membros da Liga da Justiça, ao longo do filme vemos que apesar de todo ceticismo dos outros membros, o Batman aceita os fatos e junta Zatanna, John Constantine, Deadman e Jason Blood/Demônio Etrigan numa busca para desvendar o que está acontecendo com os humanos. Também vemos que o Monstro do Pântano se junta a eles ao longo do filme e no final, o morcegão convida Zatanna e Constantine para se juntarem aos membros do Hall da Justiça. Ainda sobre assuntos mágicos, e consequentemente um dos melhores filmes animados da DC, temos uma mexida no mundo dos Titans em Contrato de Judas. Afinal, Terra a mais recente membro do grupo se junta à Slade Wilson para se vingar dos Titans. Aproveitando que um louco que quer imortalidade através do sangue dos heróis, Deathstroke se aproveita e pede dinheiro suficiente para construir seu pequeno exército de assassinos perfeitos. Disco antigo já rodado e nem me perguntem como ele lidaria com uma Thalia al Ghul de concorrência. No final tudo dá certo, e Terra acaba matando-o junto consigo mesma. A esperança que fica no final é que Donna Troy se junta ao grupo que fica um tempo de luto, mostrando assim a maturidade do grupo já neste universo.

Em Acerto de Contas vemos todo o plot de Zoom ser explicado pelo próprio nos deixando no chão, pois quem imaginaria que ele sobreviveu lá em Ponto de Ignição só para morrer nesta linha do tempo e voltar ao seu corpo da linha do tempo anterior? Ninguém! Absolutamente ninguém! Vemos também que Amanda Waller mesmo sem ter a voz da nossa aclamada Viola Davis consegue ser “a voz de Deus”, fazendo cabeças rolarem o filme todo. Atenção aqui é para que: Deadshot termina o filme livre da prisão e Arlequina não. Harley aqui ainda tem débito com a Justiça e lá em Batman Hush (Batman: Silêncio, quem traduz esses títulos pelo amor?) ela está a solta, mas sem a companhia do Coringa ainda. O que não sabemos é se ela cumpriu várias missões para Waller ou se conseguiu escapar da prisão.  Também vemos aqui um plot que nos traz Vandal Savage e Dr. Destino, e ficamos sabendo que o capacete escolhe o seu usuário. Mas não sabemos se ele se encontra atualmente confinado na Torre do Destino ou como já vimos anteriormente na TV, na Casa dos Mistérios (residência do Constantine).

A dobradinha de filmes animados do Superman também teve vez altamente relevante, mesmo que tenha colocado a Liga da Justiça de lado do enredo principal. Morte do Superman (um título de peso dentro de qualquer era de filmes e quadrinhos) e Reino dos Supermen elevou não só o homem de aço à um amadurecimento pessoal (quando ele deixa seu relacionamento com Diana Prince e conta a verdade para Loios Lane) como krptoniano. Clark já era a grande arma da Liga até aqui, mas superar a morte após a luta contra o monstruoso Apocalypse enviado à Terra adivinha por quem? Isso mesmo, Darkside tentando se vingar do ocorrido lá em Liga da Justiça Guerra. Foi uma prova que nem a morte é capaz de parar nosso último filho de Krypton. Claro que ver isso de uma forma mais harmoniosa do que foi mostrado nos cinemas (sinto muito senhor Snyder), foi bem legal. Algumas coisas me deixaram confusas durante a maratona como por exemplo a presença dos Titans e os outros membros da Liga como Zatnna e Constantine para ajudar na luta contra o exército que Ciborgue Superman criou. Mas outras coisas foram bem legais de ver como a presença de Mera, o surgimento do Connor Kent/Superboy através do Projeto Cadmus de Lex Luthor. Mas como nada é perfeito, tudo fica bem no final e Darkside não consegue voltar à Terra, a Liga da Justiça de une novamente e no final vemos nosso time de heróis com sua Torre de Vigilância vigente.

Lá em Batman “Silêncio”, ou Hush como eu irei chamar aqui. O morcegão tem que lidar com o misterioso vilão do título, uma curiosidade é que veremos o mesmo em breve na série da Batwoman (Arrowverse sugou tantos vilões de Gotham e agora vão ter que colocar os menos conhecidos na série da Kate, sorry). Apesar de todo o mistério o mais importante aqui não é a busca ou a luta com o tal vilão, mas outros fatos que envolvem Hera Venenosa conseguindo controlar Superman, Amanda Waller tirando vilões de Arkham e mandando o Batman não se meter nos negócios dela, Batgirl inclusa da BatFamília, Damien mesmo morando com os Titans aparecendo numa cena maravilhosa pedindo para seu pai usar camisinha. E claro, o relacionamento de gato e rato com asas de Selina Kyle e Bruce Wayne. Ambos já vinham nessa relação há tempos… Mas agora após finalmente descobrir o rosto por trás da máscara e se mudar para a mansão Wayne, Selina percebe que apesar dela ter mudado com o tempo, seu grande amor não consegue mudar o código de herói nem mesmo que isso lhe custe a vida (pausa para a piada final de Piada Mortal que é citada por um Coringa aqui, mas não concluída). Também vemos Lady Shiva aparecendo rapidamente comentando coisas como: há um novo Poço de Lázaro, a Liga dos Assassinos está completamente dividida pelo poder – ou seja, Thalia não conseguiu o controle após a morte de seu pai e nem mesmo seguidores suficientes.

Em Mulher Maravilha Linhagem de Sangue, alguns fatos são importantes como a origem da Princesa Amazona no mundo que conhecemos. Sua vida antes de se juntar à Liga da Justiça em Guerra, o término com Superman deixando-a livre para ficar com o Steve Trevor, lutas com as clássicas oponentes Giganta e Mulher-Leopardo. Os fatos interessantes aqui é que mesmo já sendo uma heroína consagrada, Diana perdeu a localização da sua ilha de origem e após o desenrolar do filme, percebemos que a personagem precisava retomar às suas origens para fortalecer o significado de uma guerreira amazona. Não que era tenha perdido isto ao se juntar os outros heróis, mas a importância para a evolução da personagem foi necessária assim como o reconhecimento da Rainha Hippolyta e de seu povo. Diana termina o filme derrotando a monstruosidade que é Medusa, tendo um novo amigo de aventuras e ganhando o tradicional Jato Invisível (tecnologia do governo americano). Fechando assim um ciclo do nosso trio de heróis mais maduros (dois filmes anteriores do Superman e último do Batman). Refortalecer o que chamamos de trio original antes de ir para Guerra de Apokolips é fundamental, já que no último filme animado dessa “era” dos quadrinhos teremos uma porrada de heróis de todas as formas e origens.