#FutebolDaTerrinha – Com arbitragem bastante confusa, Sport derrota Santa e segue vivo no Nordestão

No meio da semana santa, um Clássico das Multidões altamente decisivo. Pela sexta rodada da fase de grupos da Copa do Nordeste 2021, Santa Cruz e Sport se enfrentaram na noite dessa quarta-feira no Arruda. Para o Tricolor, a chance de se aproximar do G4 de sua chave. Para o Rubro-Negro, a última oportunidade de buscar o milagre da classificação. Numa partida marcada pela péssima arbitragem de Wagner Reway, o resultado final acabou sendo uma vitória leonina por dois tentos a um. As duas equipes voltam aos gramados no final de semana, para a disputa da sétima e penúltima rodada da fase de grupos do Nordestão. O Sport vai receber o Ceará, às 16:00 do sábado, na Ilha do Retiro. Já o Santa Cruz vai até Teresina encarar o Altos, às 15:45 do Domingo, no Albertão.

O início do clássico foi com o Sport buscando ser mais propositivo, enquanto o Santa adotou uma postura mais reativa. O Leão tinha mais a posse de bola, trocava mais passes, mas não conseguia agredir de maneira mais intensa. O time tricolor marcava e esperava roubar a posse para sair em velocidade no contra-ataque. Aos 19, o Santa atacou com perigo e Alan Cardoso foi derrubado na área por Adryelson. Penalidade bem marcada. Aos 21, Pipico foi para a cobrança e mandou uma bomba no travessão de Luan Polli. Pênalti desperdiçado pelo tricolor. Faltava objetividade ao time leonino, que tinha muita dificuldade para chegar na meta coral. O Santa ameaçava nas bolas paradas cobradas por Chiquinho. E foi depois de uma bola parada que o placar foi aberto. Aos 36. Pelo Leão. Num lance bem confuso dentro da área depois de um escanteio, a bola sobrou para Rafael Thyere, em posição irregular, que chutou por baixo das pernas de Jordan. Depois de sofrer o gol, a equipe coral tentou sair mais para o ataque, mas a defesa rubro-negra controlava bem as investidas. Dessa maneira o intervalo chegava, com a vantagem mínima em favor dos visitantes.

No retorno para a etapa final, Jair Ventura colocou Jonas Toró na vaga de Maxwell. Brigatti não mexeu no Santa. O segundo tempo começou bem corrido, com as duas equipes buscando o ataque. O Santa era mais agressivo, só que errava muitos passes na transição, dando muitas oportunidades para o Sport contragolpear com perigo. O Leão não conseguia dar sequência nas jogadas ofensivas. Quando teve a oportunidade de finalizar, Jordan fez uma defesa espetacular num chute de Patric. Em dez minutos, o time rubro-negro teve quatro chances para ampliar o marcador. Não converteu nenhuma. A equipe coral parecia desnorteada, facilmente envolvida. Aos 15, Madson tentou jogada individual em cima de Patric, caiu na área e o árbitro, de forma equivocada, marcou pênalti. Aos 17, Chiquinho cobrou forte, com a bola passando por baixo de Luan Polli. Era o empate. O Santa cresceu na partida. O Sport reagiu. Foram mais duas grandes oportunidades perdidas pelo Leão. Aos 35, depois de uma troca de empurrões com Thyere, Marcel foi expulso diretamente pelo árbitro. Santa ficava com um a menos. O Sport foi para a pressão. Aos 41, Rafael Thyere cometeu falta dura. O árbitro, todo perdido, primeiro deu amarelo, depois expulsou direto o zagueiro rubro-negro. As duas equipes então ficavam com dez em campo. O Leão continuava na pressão. Aos 48, mas um lance confuso. Depois de um toque na mão dentro da área do Santa, o árbitro, primeiramente, marcou tiro de meta. Depois de um tempo, Wagner Reway deu pênalti para o Sport. Aos 51, Toró foi para a cobrança, bateu com raiva, sem chances para Jordan. Com mais três minutos de acréscimo, só deu tempo para rolar algumas confusões. Aos 56, veio o apito final. E com ele uma vitória rubro-negra suada, que deixa o Leão ainda com chances mínimas de classificação. O Santa Cruz fica praticamente eliminado. Foi um clássico bem animado. Com várias nuances. Uma pena que vai ficar marcado pela péssima arbitragem do senhor Wagner Reway. Enfim, deu Sport no Arruda